domingo, 23 de junho de 2024

Mercado, socialismo e comunismo

 Mercado, Socialismo e Comunismo (Notas sobre o Cálculo Econômico)


LINCOLN SECCO 

Qual a diferença entre socialismo e comunismo? Essa é uma das perguntas consideradas simplórias, típicas de iniciantes, mas que escondem uma complexidade. O comunismo é um movimento ou uma finalidade? O socialismo é uma etapa do comunismo ou uma sociedade específica? Quando Nikita Krushev anunciou que na geração seguinte os soviéticos alcançariam o comunismo, o que ele queria dizer?

Embora seja comum separá-los em duas etapas para fins didáticos, socialismo e comunismo são modos de produção que se sobrepõem numa mesma formação social. Ilhas de comunismo existem na formação social socialista e elas tendem a superar o Estado e o próprio socialismo. Mas para fins classificatórios podemos fazer as seguintes definições:

1. O socialismo é a primeira etapa do comunismo em que o mercado continua operando, mas há a predominância da propriedade social, especialmente no setor de bens de produção; a contabilidade social é mediada por uma moeda de contaii através da qual os bancos estatais funcionam como câmaras de compensação entre as empresasiii; e os preços são estabelecidos pela Comissão Central de Planejamento. Já os bens de consumo são livremente escolhidos pelos consumidores e pagos por papel moedaiv.

2. O comunismo é a plena socialização da produção (planificada) e também do consumo e a sociedade pode retirar livremente dos armazens sociais a maior parte do que precisa e a moeda não tem a mesma função do dinheiro enquanto finalidade única dos produtores. O Mercado é um espaço jurídico impessoal em que ocorrem as trocas.

Em resumo, o socialismo é a planificação estatal da produção, mas não do consumo que permanece privado; nele cada um retira do fundo social de acordo com sua contribuição em trabalho; já o comunismo é a socialização tanto da produção quanto do consumo e nele vigora o princípio: “a cada um segundo sua necessidade”. Obviamente que em ambos os casos está pressuposta a satisfação livre do que é básico.

Objeções ao Socialismo e ao Comunismo

Entre as objeções que se prentendem racionaisv ao socialismo e ao comunismo duas se destacavam no início do século XX. A primeira era a de que não seria economicamente factível e a segunda a de que não incentivaria o esforço individual. A persistência do argumento pode ser demonstrada pelo fato de que em 1983 o sovietólogo Alec Nove lançou A Economia do Socialismo Possível, em seguida criticada por Ernst Mandel, já que Nove defendia o uso de mecanismos de mercado no socialismo.

Admitia-se no início do século XX a superioridade moral da ideia comunista, mas no máximo ela seria um corretivo ético para os excessos do capitalismo e não uma economia viável. Quando Marx realizou sua passagem do liberalismo radical ao comunismo na década de 1840vi este termo equivalia a um movimento real que advogava métodos revolucionários, enquanto o socialismo se referia aos experimentos de reforma social baseados em sociedades alternativas na economia capitalista e que Engels denominou utópicas.


No início da Grande Depressão de 1873 o movimento operário passou a se organizar em partidos socialistas, social democratas e trabalhistas. Socialismo e Democracia Social se tornaram termos de teor revolucionário. Somente a derrocada da Internacional Socialista no início da Primeira Guerra Mundial é que transferiu a lealdade revolucionária para a palavra “comunismo”. Os bolcheviques adotaram o novo nome em 1918.

Os comunistas, entretanto, não pensaram que fosse possível chegar ao comunismo em qualquer horizonte temporal previsível e se dedicaram a tratar deproblemas práticos do socialismo.

Alocação de Recursos na Literatura Marxista

O mercado é um espaço impessoal de deslocamento de recursos entre os setores da economia e regulado por normas jurídicas ou no mínimo aceitas consuetudinariamente. Ele existiu antes do capitalismo e permaneceu na Rússia Soviética. Na década de 1920 as indústrias estavam com o governo, mas o campo permaneceu repartido entre proprietários privados.

Na literatura marxista a preocupação com um sistema de preços e com o mercado não era inexistente. Na CríticadoProgramadeGothavii Marxdefiniuaprimeirafasedasociedadecomunistacomoum“períodode transição política” com a permanência do Estado. No plano jurídico, continua a atuar o “direito burguês”, igual para pessoas desiguais, mas a novidade é que pela primeira vez, o princípio e a prática não entram em conflito, e a igualdade jurídica encontra uma base material, pois cessa a exploração capitalista e as diferenças entre classes sociais. As trocas são medidas pelo quantum de trabalho fornecido pelo trabalhador. Os “vales” ou as moedas que o trabalhador recebe representam o valor que ele gerou, deduzidas naturalmente as contribuições para a formação da poupança social. A limitação burguesa do Direito persiste, pois embora não reconheça privilégios de classe, incorpora diferenças individuais, de acordo com a capacidade de trabalho de cada um.

Na segunda fase “só então o limitado horizonte do direito burguês poderá ser definitivamente ultrapassado e poderá a humanidade escrever em suas bandeiras: De cada um segundo as suas capacidades a cada um segundo as suas necessidades”. A frase bíblica, dos Atos dos Apóstolos, poderá ser realizada.

Em duas raras passagens de O Capital sobre o modo de produção associado Marx diz:

“Depois da abolição do modo de produção capitalista, mas com manutenção da produção social, a determinação do valor continuará predominante no sentido de que a regulamentação do tempo de serviço e a distribuição do trabalho social entre os diferentes grupos de produção e, por fim, a contabilidade quanto a isso se tornarão mais essenciais do que nunca”viii.

E:

“Pensemos a sociedade como não sendo capitalista, mas comunista: então o capital monetário desaparece completamente, portanto também os disfarces das transações que dele decorrem”.ix

As duas citações podem servir como descrições aproximadas da primeira e da segunda fase do Comunismo. Como vimos anteriormente, no início do século XX costumava-se atribuir ao socialismo a socialização da produção e ao comunismo a socialização tanto da produção quanto do consumo.


Oskar Lange em dois artigos sobre o debate do cálculo socialista na década de 1930 cita vários autores marxistas sobre a questão dos preços e do mercado. Ele faz alusão aKautsky para quem o sistema monetário é indispensável no socialismo; a Trotsky para quem “o plano se verifica e em medida considerável se realiza através do mercado” e Stalin para quem “teremos que dispor de dinheiro por muito tempo, até que o primeiro estágio de desenvolvimento do comunismo, o socialista, tenha se completado”x.

Recordo-me que em suas aulas na USP o professor Paul Singer sempre nos lembrava que as necessidades humanas são infinitas e, por isso, jamais poderemos imaginar um modo de produção em que oferta e demanda se equilibrem ao preço zero. O comunismo foi considerado utópico por Kautsky mais ou menos com esse tipo de objeção.

Oskar Lange foi menos taxativo. Para ele a demanda de muitas mercadorias se torna, a partir de certo ponto, inelástica aos preços. Ainda que o preço fosse zero, o consumo de sabão, sal ou pão não aumentaria apreciavelmentexi. O mesmo pode-se dizer da tarifa zero na cidade de São Paulo. Haveria um incremento residual em função dos que hoje não podem pagar e andam a pé ou que usariam transporte público para lazerxii. E numa economia em que todos tivessem um rendimento básico, praticamente não se modificaria o número de viagens.

Lange recorda que o custo continuaria existindo, de forma que a renda monetária dos consumidores seria reduzida (via tributação) ao equivalente do custo de produção desses bens socializados. Ora, no próprio capitalismo já existem situações assim como a educação pública, iluminação de ruas, parques públicos e outras externalidades econômicas.

O Socialismo na Prática

Nos primeiros anos do poder soviético o que estava em debate era o socialismo e não o comunismo.

Os ultra liberais Ludwig Von Mises e F. Hayek atacaram o modelo socialista como algo ineficiente e mesmo inviável economicamente. Para Mises a estatização na União Soviética fez desaparecer o mercado de bens de capital, sendo assim impossível atribuir-lhes preços.

A extrema direita neofascista resgatou Mises (sem o ler, é óbvio) para defender a liberdade de mercado. Como afirma Lippincott no folclore capitalista o socialismo é algo impraticável e isso é compartilhado tanto pela pessoa da rua quanto pelos economistas.

O economista ortodoxo Fred Taylor foi um dos primeiros a demonstrar o funcionamento econômico do socialismo. Os economistas marxistas, apesar daquelas referências supracitadas, dedicaram-se mais a pensar no interior da teoria clássica, portanto em termos de valor e não de preços. Preferiram evitar o confronto no terreno da economia neoclássica. Lange considerou indispensável combinar a abordagem microeconômica neoclássica com o marxismo e tratar do sistema de preços na contabilidade socialistaxiii.

A fundação da União Soviética em 1922, já com a Nova Política Econômica (NEP) em andamento, propôs problemas práticos de gestão econômica para os marxistas. Lenin propôs um passo atrás para recuperar a produção agrícola e industrializar o país, possivelmente citando Leibniz: on récule pour mieux sauter.

Nem o dinheiro e nem as mercadorias foram abolidas. As empresas foram estatizadas, mas a liberdade de escolher onde trabalhar e o que consumir com a renda continuou existindo mesmo que a liberdade fosse


limitada, como aliás acontece no capitalismo. É verdade que no final da década de 1920 o grupo stalinista promoveu a coletivização da agricultura e também da rede de varejo nas cidadesxiv. Mas os produtos continuaram sendo vendidos e comprados.

Lange trata da formação dos preços de equilíbrio num mercado competitivo, abstraindo inicialmente os monopólios. No mercado competitivo ninguém pode influenciar de forma decisiva a formação dos preços. A economia de mercado chega ao equilíbrio pelo método de tentativas e erros. Os empresários produzem sem conhecer a demanda e os preços funcionam como indicadores para aumentar ou diminuir a oferta. Deixemos de lado o fato de que o “equilíbrio” é um recurso heurístico, pois jamais é integralmente encontrado na realidade.

Von Mises faz uma objeção ao socialismo ao dizer que o planejamento teria que solucionar milhares de equações para adequar a oferta à demanda e, no instante em que estivessem resolvidas, as informações nas quais se basearam já estariam obsoletas. Assim, o mercado seria um método mais simples de alocação de recursos.

O Equilíbrio de Walras

Os preços de mercado são casuais. Na formulação do economista Walras, citada por Lange, prix criés par hasard. Eles resultam da ação dos indivíduos, mas cada indivíduo não os controla e se submete a eles. Trata- se de uma alienação necessária comparável à religião ou à representação política. Os preços funcionam como parâmetros para os indivíduos decidirem como gastarão sua renda. É a função paramétrica dos preços.

O preço de equilíbrio é resultante da igualdade entre oferta e procura. Mas se a oferta de um produto for maior ou menor do que a demanda, a concorrência entre vendedores e consumidores altera os preços. Disso resulta novo conjunto de preços e, portanto, outra quantidade de mercadorias ofertadas e demandadas. Os novos preços permitem que os indivíduos redirecionem suas escolhas entre os vários bens ofertados. Cada mercadoria se aproxima cada vez mais do preço de equilíbrio. Após sucessivos rearranjos surgiria o equilíbrio objetivo de preços.

O que Lange argumenta é que uma economia socialista a mesma tentativa e erro acontece. Os bens de capital e seus preços são fixados na contabilidade do Estado e das empresas estatais. As decisões de investimento não são feitas em função do lucro, mas para produzir aquilo que pode ser absorvido pelos consumidores ou por outras empresas estatais. As empresas não fixam os preços como querem os seus gerentes. A função paramétrica dos preços é estabelecida pela Comissão Central de Planejamento. A produção visa ofertar produtos que satisfaçam a demanda representada pelo nível de renda dos consumidores. Se a oferta difere da demanda, para cima ou para baixo, a contabilidade registra um excedente ou um déficit físico da mercadoria em questão. A Comissão Central fixa novo conjunto provisório de preços até obter os preços de equilíbrio. O uso de preços contábeis é necessário, portanto, para evitar o desequilíbrio físico da produção.

O Gosplan soviético realizava as funções de mercado. Lange é irônico com os argumentos de Mises e Hayek: paara fixar os preços nenhuma matemática complexa é necessária por parte de consumidores ou produtores.

A Transição


Lange não se opunha à existência de propriedade privada no socialismo, desde que ela existisse no setor competitivo da economia; tivesse um limite máximo de capital; e sua escala de produção não fosse mais custosa que a produção de ampla escala.

Todavia, a socialização da economia deveria ser feita de forma revolucionária, pois a economia capitalista não pode funcionar sob um governo verdadeiramente socialista. O gradualismo levaria à insegurança das empresas, ao pânico financeiro e ao colapso econômicoxv.

Lange admite, entretanto, um governo socialista reformista, ou seja, que não possui força para socializar a economia, mas que é eleito para realizar tarefas que um governo liberal é incapaz de fazer, devido aos seus preconceitos ideológicos.

Se a eficiência marginal do capital é muito baixa e a preferência pela liquidez elevada, tal como acontece numa fase depressiva do ciclo econômico, só mediante a implementação de um corajoso plano trabalhista de investimentos públicos um governo pode atacar o desemprego e a depressão. É neste ponto que Lange faz duas observações de grande atualidade. A primeira sobre a tibieza da Esquerda reformista:

“...às vezes os governos socialistas se mostraram muito mais dominados pelos preconceitos burgueses, no que tange às suas políticas econômicas e financeiras, que os governos capitalistas. A razão é que com a ‘pureza’ de suas políticas queriam compensar a falta de confiança do mundo financeiro e dos negócios. Não é necessário dizer que inclusive a este preço um governo socialista dificilmente ganha a simpatia dos grandes capitalistas e dos interesses financeiros, enquanto destrói sua única possibilidade de êxito em suas políticas econômicas”xvi.

Lange continua:

“Assim, um plano trabalhista ou uma série deles pode ser um elo importante (an important link) na evolução que, finalmente, deve convergir para um movimento de massas de força e ímpeto irrestíveis que force a reconstrução total da ordem econômica. Mas inclusive um governo socialista cujos objetivos se achem encerrados nos limites de um plano trabalhista deste tipo necessita audácia e decisão para levá-lo a cabo. De outra maneira pode degenerar até converter-se em mero administrador da sociedade capitalista existente”.

A outra observação é sobre um modelo de revolução socialista muito parecido ao de alguns teóricos da Social Democracia alemã antes de 1914: “A possibilidade de tal política pressupõe, evidentemente, instituições democráticas. Entretanto, no caso em que os interesses ameaçados intentassem impedir a obra dos socialistas mediante a derrubada das instituições democráticas, surgiria automaticamente uma revolução social”xvii. Alguns anos depois Kalecky também chamou atenção para os efeitos políticos do pleno emprego sobre os empresáriosxviii.

Fim do Socialismo?

Nota-se como um economista socialista pode ter argumentos “humanistas” que são absolutamente ignorados pelos economistas liberais. Estes partem sempre de um indivíduo abstrato, ignorando as diferenças de classe social e renda.

Lange, ao contrário, mostra como as pessoas podem escolher um rendimento monetário mais baixo, mas também com menor desutilidadexix. Essa desutilidade pode ser equivalente a maior tempo de ócio, prazer no


trabalho ou segurança, por exemplo, e é igual à diferença entre a renda auferida nesta ocupação de menor remuneração e aquela que poderia ser ganha em outras melhor pagas, porém menos atraentes para alguns indivíduos. O socialismo garante maior liberdade individual do que o capitalismo na medida que o pleno emprego e a socialização de grande parte dos serviços fundamentais garantiriam que a sociedade sustentaria o cuidado da infância, a educação dos jovens, a saúde pública, o amparo da velhice e o lazer e a cultura para todos. No capitalismo a vida, a segurança e a saúde não são contabilizadas nos custos do capital, enquanto o socialismo considera os custos sociais como primários.

O “fracasso” da União Soviética derivou de uma derrota ideológica e das escolhas de seus dirigentes. Lange já alertava para o perigo da burocracia. Na segunda edição de meu livro didáticoxx História da União Soviética proponho que o colapso não era inevitável e nem mesmo resultou de uma mudança estrutural no padrão industrial mundial. Havia uma conjuntura de crise em que as estruturas de longa duração se combinaram a uma inesperada cadeia de eventos que demoliram o socialismo burocrático.

O autoconhecimento coletivo da sociedade soviética foi incompleto e suas estruturas econômicas ficaram estagnadas a partir de fins da década de 1970. O passo a ser dado implicaria a mudança das relações de produção no interior da empresa (algo ignorado por Lange) e o comprometimento do Estado com inovações tecnológicas que não interessavam à Nomenklatura. Ou seja, uma vez atingido certo nível de desenvolvimento econômico, o avanço das forças produtivas exigia novas relações de produção e outra superestrutura jurídico política.

No bloco socialista houve revoluções na Hungria e Tchecoslováquia. Ao menos no caso dessa última havia a pretensão oficial de um “socialismo com rosto humano”. A Polônia viveu na década de 1980 uma situação revolucionária e a União Soviética não tinha a intenção de sufocá-la do exterior pelo simples motivo de que não era uma contestação nascida no interior do partido, mas de um vasto movimento sindical e popular. Que Walessa fosse um anticomunista não apaga o fato de que a hegemonia do movimento talvez pudesse ter sido disputada se houvesse revolucionários comunistas na Polônia e não apenas burocratas defendendo o regimexxi.

Era possível uma revolução anti burocrática? Essa pergunta visa sempre expor a falta de realismo atribuída aos revolucionários, mas ela esconde uma orientação ideológica. Por que o fatalismo capitalista é menos idealista do que as esperanças revolucionárias? As possibilidades objetivas estavam dadas tanto para avançar mais ao comunismo, quanto para restaurar o capitalismo. Mas não havia uma subjetividade comunista. Desde 1968 o imperialismo vivenciava uma crise que abria uma potencialmente situação revolucionária. Governos dos EUA, Japão e Alemanha caíram devido a escândalos na metade da década de 1970, a crise do petróleo e as baixas taxas de crescimento indicavam perspectivas sombrias; Grécia, Espanha e Portugal se livraram de suas ditaduras, sendo que os portugueses realizaram uma Revolução que assumiu caráter socialista até novembro de 1975.

Na Europa Ocidental, o Eurocomunismo ganhou força eleitoral. Comunistas entraram no governo em Portugal (1974-1976), Islândia (1971-1973) e Finlândia (1966 e 1970-1971). Em 1976 o PCI obteve 34% dos votos. Em 1981 os comunistas e socialistas ganharam as eleições na França. Na Nicarágua e em Granada marxistas estavam no poder por via revolucionária e El Salvador apontava na mesma direção. Angola,


Moçambique e outros países africanos e asiáticos assumiam orientação socialista e as ditaduras agonizavam na América Latina.

A palavra eurocomunismo foi cunhada em 1975 e Norberto Bobbio a definiu com razão como a social democratização dos comunistas, mas na época ninguém sabia aonde aquele movimento levaria, apesar das críticas de comunistas ortodoxos. Giovanni Sartori, para quem o Eurocomunismo simbolizava “a busca por legitimidade” dentro da ordem, ainda assim lembrava que a guerra de posição apregoada pelos comunistas italianos continuava sendo uma guerraxxii. Se era provável que dali não adviria qualquer processo socialista, ainda assim a cultura comunista na Itália desfrutava de hegemonia em vastos segmentos da sociedade civil. O novo “trabalho do negativo”xxiii, a destruição da superestrutura socialista soviética, foi feita não pela classe trabalhadora, mas pela burocracia em proveito próprio. Gorbatchev visou retomar a Nova Política Econômica de Lenin sem as pré condições dela. Gorbatchev visou ampliar as relações mercantis num país que já era industrializado. O consumo real per capita cresceu 3% ao ano entre 1950 e 1980. O número de máquinas de lavar por 100 lares ascendeu de 21 em 1965 a 75 em 1990xxiv. O problema habitacional havia sido bem amenizado e não havia qualquer ameaça interna para o regime.

No Ocidente a classe trabalhadora já vinha sendo atacada por políticas neoliberais. O fim da União Soviética consolidou o neoliberalismo. Igualmente, seu surgimento ajudou a formação do Estado do Bem Estar Social. Mas tanto no alfa quanto no ômega do processo o elemento externo só se desenvolveu mediante as contradições internas dos distintos países. Onde não havia diferenciação produtiva mínima e movimento trabalhista, as burguesias exibiram apenas sua face repressiva sem se preocupar em obter o consentimento de suas populações exploradas.

É preciso reconhecer que a subjetividade política, a capacidade hegemônica da classe operária agregar as inúmeras vontades desagregadas, é um momento da história que não apaga a “determinação em última instância” da produção da vida material. O socialismo se desagregou porque cessou sua capacidade de incrementar a produtividade do trabalho, o tempo livre e os bens materiais e espirituais de consumo. Mas como recordou um inovador pensador argentino, se para se conceber um sistema hegemônico deve-se partir da “economia”, para se operar sua desestruturação o caminho é o inverso, o dominante são os conflitos no plano da políticaxxv.

Em conversa com o professor da USP Wilson Barbosa, que conheceu o funcionamento de algumas economias socialistas, ele me confirmou que a decadência da União Soviética é um fenômeno subjetivo, cuja expressão é a transformação de burocratas em acionistas majoritários e de dirigentes comunistas em mafiosos.


i Notas redigidas a partir de aula no curso de História Contemporânea da USP, 2024. Também fui motivado por uma pergunta que me fez o grande jurista Jorge Souto Maior. Acrescentei observações a partir da leitura do livro (citado infra) de Oskar Lange que me foi presenteado pelo companheiro Procurador Federal e historiador marxista Luis Fernando Franco.

ii O dinheiro tem as funções de reserva de valor, meio de troca e meio de pagamento (e tesouro).

iii Vide Pomeranz, Lenina. Do socialismo soviético ao capitalismo russo. São Paulo: Ateliê, 2024, 2 ed. A moeda

escritural usada na União Soviética funcionava como pagamento entre as empresas através dos depósitos bancários

(meio de pagamento).

iv Hoje moeda eletrônica.

v Excluo o anticomunismo que, como notei em outro artigo (O Anticomunismo Preventivo), se trata de negação

indeterminada ao comunismo.

vi Vide Padial, R. A Passagem de Marx ao Comunismo. São Paulo: Ateliê, 2024.

vii Cf. Mehring, F. Storia della Germania moderna, Milano, Feltrinelli, 1957, pp. 234-238. Esse texto foi escrito por

motivos circunstanciais, nem por isso irrelevantes. Havia na Alemanha dois partidos operários socialistas. A União Geral Operária Alemã (Allgemeiner Deutscher Arbeiterverein) de inspiração lassaliana (fundada em 1863), e o Partido Operário Social-Democrata (Sozialdemocratische Arbeiterpartei), conhecido como partido dos eisenachianos, pois fora fundado em 1869 na cidade de Eisenach. Este partido era o mais próximo de Marx e Engels, e era liderado por August Bebel (1840-1913) e Wilhelm Liebknecht (1826-1900). A União Geral Operária Alemã era dirigida por Lassale (1825-1864). No início de 1865, depois da morte de Lassale, a União passou a publicar o jornal Social-Democrata, que saía três vezes por semana, era dirigido por J.B. Schweitzer (1833-1875) e tinha a colaboração de Marx, Engels e Liebknecht. Schweitzer era favorável a uma unificação alemã feita através de uma revolução social, mas não negava o sucesso político da unificação promovida pela Prússia de Bismarck, embora este submetesse fins nacionais a interesses dinásticos-particularistas. Schweitzer não deixava de advertir os operários de que era preciso sempre lutar de maneira independente pela sua liberdade, muito menos desconhecia a política despótica de Bismarck, mas considerava, de maneira talvez mais realista, que a prussianização da Alemanha era um fato consumado e que a burguesia não tinha mais vontade, nem interesse, em se opor a Bismarck, enquanto o proletariado carecia de forças para fazer uma revolução sozinho.

viii Marx, O Capital. S. Paulo, Abril Cultural, 1983, v.III, t. 2, p. 293.

ix Marx, O Capital. S. Paulo, Abril Cultural, 1983, v.II, p.233.

x Lange, Oskar e Taylor, Fred. introd. De Benjamin Lippincott. Sobre la Teoria Económica del Socialismo.

Barcelona: Ariel, 1969, p. 153.

xi Id. ibid., p.155.

xii Paul Singer defendeu a tarifa zero quando secretário do planejamento de São Paulo e dizia que ela ajudaria a

racionalizar o uso de outros serviços públicos, como a saúde.

xiii Lange discutiu depois a cibernética, ou seja, sistemas de controle automático de máquinas supridas por uma miríade

de informações fornecidas pelos agentes econômicos.

xiv Fitzpatrick, Sheila. Breve História da União Soviética. São Paulo: Todavia, 2023, p. 78.

xv Lange e Taylor, pp. 136-7.

xvi Id. ibid., p. 140.

xvii Id. ibid., p. 142. Na tradução de Camarinha Lopes na Revista Jacobina há algumas diferenças importantes em

relação ao texto em inglês e à versão espanhola. Consultei portanto, além da tradução espanhola: Lange, O. e

Taylor, F. On The Economic Theory of Socialism. Introd. De B. Lippincott. 4 ed. Minessota, 1956.

xviiihttps://jacobin.com.br/2020/09/aspectos-politicos-do-pleno-emprego/

xix Id. ibid., p. 112.

xx Secco, L. História da União Soviética. São Paulo, Maria Antonia, 2 ed, 2023.

xxi É apenas uma hipótese. Assumo minhas dúvidas sobre a natureza do processo polonês por falta de dados.

xxii Sartori, G. “Calculatin the Risk”, in Sartori, G. and Ranney, A. (orgs). Eurocommunism: the italian case.

Washington, 1978.

xxiiiCohen, G. A. A Teoria da História de Karl Marx. Campinas: Unicamp, 2013, p. 35.

xxivAllen, R. Farm to Factory: a Reinterpretation of the Soviet Industrial Revolution (Princeton, 2003), pp. 54-5.

LADAINHA

E o PIG (partido da imprensa golpista) continua sua campanha subversiva contra o governo Lula mediante a velha ladainha econômica do desajuste fiscal que seria responsável pela inflação e por todos os males dela decorrentes na nação brasileira. 

Com efeito, esse discurso não consegue transcender o binômio oferta e demanda no âmbito do processo de circulação de capital, atribuindo à demanda efetiva ou às baixas taxas de desemprego a carestia e tudo que de mal acontece neste país. 

Já esgrimi inúmeras vezes que, na verdade, é o próprio capital que provoca inflação e juros elevados, em razão da lei descrita por Karl Marx consistente no declínio tendencial da taxa de lucro, combatida com aumento generalizado de preços. 

Sem embargo, hodiernamente a revolução digital difundiu-se pelo mundo afora e provocou um incremento do valor da força de trabalho e consequente diminuição da taxa de mais-valia, decorrente da necessidade de sua maior qualificação com um aumento do tempo de sua formação no âmbito escolar, fora dos limites familiares. 

Isso causou uma diminuição nas taxas de lucro do capital pelo mundo afora, e desde a década de 2020 o planeta convive com altas taxas de inflação decorrente da contraposição do próprio capital a tal declínio.

Mas o discurso econômico neoliberal dominante não admite olhar para esse processo de produção de capital, pois isso requer uma admissão da existência da extração da mais-valia, a saber, da exploração econômica do ser humano pelo seu semelhante, que acompanha o Homo sapiens desde seu nascedouro. 

Mudar esse estado de coisas, de fato, é muito difícil. 





por LUIS FERNANDO FRANCO MARTINS FERREIRA, historiador formado pela USP.  

sábado, 22 de junho de 2024

BERNARDO BERTOLUCCI

Bernardo Bertolucci foi um cineasta italiano de grande envergadura e sucesso no mundo inteiro, mas hoje foi cancelado por acusações de ter filmado uma cena de violência sexual real, em que a atriz Maria Schneider teria sido estuprada. 

Como dizem o franceses, c´est dommage.

Realizou obras primas como 1900, O céu que nos protege e O último imperador, o qual recebeu nove Oscars da Academia de ciências cinematográficas dos Estados Unidos. 

Mas o seu projeto mais ambicioso, em que a cena de estupro real acima mencionada foi filmada e integrou a montagem final da película, foi O último tango em Paris, de 1972. 

Não fosse pela cena de estupro que o integra, esse filme provavelmente figurasse entre os maiores já realizados em todos os tempos. 

Com efeito, Louis Althusser postulava que somos todos meros vetores de determinações estruturais do capital, ao passo que hodiernamente o biólogo Robert Sapolsky aniquilou em sua obra a existência do livre arbítrio entre nós. 

A individualidade, pois, foi colocada em xeque mate, de tal sorte que não nos seria facultado usar nomes individuais para distinguir nossa subjetividade individual. 

Sem embargo, na produção e reprodução de sua vida material em sociedade, os seres humanos contraem entre si relações de produção heterônomas que escapam ao seu controle e volição, dirigindo-lhes o destino de forma alienada e reificada; por outro lado, na reprodução dos próprios indivíduos humanos, a sexualidade impõe suas determinações, a começar pela definição de macho e fêmea.

Destarte, Marx e Freud foram a dupla que moldou definitivamente nossa percepção da produção e reprodução da vida material humana, seja no campo do trabalho, seja no campo da reprodução sexuada, de tal sorte que somente nos é dado usar dois nomes de cada vez, a saber, ou o binômio capital e trabalho, ou o binômio macho e fêmea e suas derivações.

O mencionado filme mostra um casal que não se identifica individualmente, malgrado a atração sexual que os une, e quando se identificam finalmente, parecem mais sombras dançando uma coreografia preconcebida como no tango. 

Mas a cena de estupro maculou toda a película, que atualmente foi colocada no ostracismo. 

O que teria conduzido Bertolucci a filmar e aproveitar essa violência sexual, não sei dizer, mas me parece lamentável. 

Enfim, é uma pena...





por LUÍS FERNANDO FRANCO MARTINS FERREIRA, historiador. 

SÓCRATES

A morte de Sócrates, o filósofo grego, marca o início da ideologia que no século XX seria conhecida como fascismo.


O racionalismo socrático reflete a ascensão da circulação de mercadorias mediante o dinheiro em um universo histórico dominado pelo modo de produção escravista antigo, com a decorrente dissociação entre atividade eminentemente intelectual (dinheiro) e atividade eminentemente manual (produção de mercadorias).


Os algozes de Sócrates combatiam esse irrefreável ímpeto histórico da ascensão monetária no mundo escravista, colimando extirpar a classe burguesa em seu nascedouro, mas quando os nazifascistas vituperavam contra a finança judaica, também deliravam com a utopia de uma sociedade de senhores e escravos despojados da racionalidade capitalista!


Uma ideologia perniciosa que elegia um inimigo imaginário na sociedade, o dinheiro, que era suscetível de hiperinflação, para propor uma fusão de classes produtivas, capitalistas industriais e proletariado, contra essa finança estrangeira e judaica.


O futurismo industrialista foi a manifestação mais clara de tal fusão no âmbito estético.


A morte de Sócrates é o pecado original da Bíblia nazifascista.





Por Luís Fernando Franco Martins Ferreira, historiador.

sexta-feira, 21 de junho de 2024

NAZISMO 3

 A democracia antiga cingia-se a uma minoria aristocrática de que não participavam os trabalhadores escravos.


A democracia moderna estende-se a todos, burguesia e proletariado, donos do capital e trabalhadores assalariados, e funciona mais ou menos como termômetro da luta de classes.


O nazifascismo quer, portanto, abolir a democracia com a união entre classes antagônicas!






Por Luís Fernando Franco Martins Ferreira, historiador.

NAZISMO 2

 A ideologia nazifascista, pois, encerra seus pródromos na sentença de morte de Sócrates, e representa a inversão do comunismo:


Se este colima superar o dinheiro e o capital pela vitória dos trabalhadores sobre os representantes desses objetos de reificação de relações de produção, o nazifascismo pretende vencer o dinheiro e o capital com uma união de classe entre burguesia e proletariado contra os mesmos!


Ocorre, todavia, que a burguesia é o dinheiro e o capital personalizados, o que torna o nazifascismo uma utopia irrealizável!




Por Luís Fernando Franco Martins Ferreira, historiador.

NAZISMO

 Em consonância com o texto imediatamente precedente, o nazismo é uma ideologia saudosista de um modo de produção escravista antigo, máxime do Império Romano, em que o dinheiro, representado pelos judeus, é extirpado!





Por Luís Fernando Franco Martins Ferreira, historiador.